terça-feira, outubro 10, 2006

Em busca do ouro alquímico #2

Ainda nem procurei as framboesas para recuperar a sobremesa em baixo, já outra ideia, que não tem a ver com aquela, me veio à cabeça. Nunca fui de tisanas a que é costume chamar-se chás. O certo é que, devido a um pantagruélico almoço de domingo no Porto, depois de ter dormido uma sesta e bebido em seguida dois copos de água gelada, andei a rondar (de pé) o submundo das trevas, onde não há coisas boas nem más nem assim-assim.

Depois de uma paragem na A1 e de uma saída da auto-estrada para dar um passeio higiénico, quando cheguei a casa bebi uma tisana dessas, mais propriamente uma infusão de tília, e fiquei maravilhado com a sua delicadeza. Fez-me lembrar as noites de Junho, quando as tílias desta cidade enchem o ar com o seu perfume. A infusão tinha um aroma mais subtil, como se as tílias de Verão estivessem longe. Surgiu-me então a ideia de aprisionar aquele perfume e trazê-lo para a mesa. Depois contarei.

Etiquetas:

2 Comments:

At 10/10/06 21:31, Blogger soledade said...

Essa da água gelada em plena digestão não lembra a ninguém. Realmente! Quanto ao aroma da tília, em infusão ou pairando no ar, em fins de dia quentes, não sei de cheiro que se lhe compare. Junte-se-lhe o zumbir de abelhas e configura-se o locus amoenus. Parece-me bem associá-lo ao oiro alquímico :)

 
At 12/10/06 23:01, Blogger o avental said...

De facto, Soledade, não lembra ao Diabo:( Sucede que sempre fiz isso, mas desta o cântaro ia deixando a asa.

Gosto do perfume das tílias e depois, já mais dentro do Verão, de ver as brácteas correr, empurradas pelo vento.

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home