quarta-feira, agosto 30, 2006

Sopa da Gafanha ou sopa gafanhoa (Aveiro)

Que sopa de bárbaros, poderá dizer algum fundamentalista da nova cozinha. No entanto, é das sopas que mais gosto, muito embora eu não seja medida de nada, senão de mim mesmo. Não tenho top ten de sopas, caso contrário, seguramente, esta constaria dele. No entanto, como sabemos, os fundamentalistas são casmurros, ou casmurros e pouco inteligentes, de modo que não querem saber de mais nada, salvo daquilo que os obsidia, e assim vivem a vida na estreita estrada dos seus olhais.

Mas deixemo-nos de prolegómenos psicológicos: é uma sopa de Inverno, sucede é comer-se também agora, época em que aparece o feijão de debulha, assim chamado porque se compra (ou se colhe) em vagem ainda, já meia seca mas não de todo, o feijão formado no tamanho e na cor, mas tenro. Por isso é que tem de debulhar-se o feijão, o feijão de debulha. Pode encontrar-se em mercados e feiras nesta altura e, depois de debulhado, congela-se directamente para todo o ano.

Como cozinho muito com o olhómetro, não sei de quantidades. A sopa não deve ficar espessa nem rala; o feijão e a massa meada devem sentir-se bem presentes; o tomate, ser bem vermelho e generoso, dar gosto à sopa e pontuá-la aqui e além como na imagem; o caldo, saber a presunto.

1 batata grande.
Feijão de debulha.
Massa meada
Uns 3 tomates médios aos pedaços.
Banha boa (cheire-a sempre: a melhor é a que cheira a torresmos).
Sal.
Osso de presunto ou pedaço de presunto com gordura.
Carnes (facultativas, para se comerem cozidas, depois da sopa): orelha, chispe e entremeada salgados; chouriça; vitela.

Pique 2/3 da batata como se fosse cebola para um estrugido, e ponha-a a cozer, juntamente com 2/3 do feijão, temperados de sal. Quando cozidos, adicione o presunto (e as carnes, se for caso disso). Deixe cozer. Adicione o feijão e a batata restantes em dados pequenos como se entrevêem na imagem e, uns dez minutos depois, o tomate aos pedaços. Tempere com banha, rectifique de sal e sirva.

Etiquetas:

7 Comments:

At 30/8/06 12:08, Blogger Pingus Vinicus said...

Caro gourmet pertence ao universo de sopas que mais aprecio.
Daquelas sopas que acochegam o estomâgo e alma.

Cordialmente

 
At 30/8/06 12:55, Blogger Elvira said...

Sopa bárbara...?! Adoro esta também. :-)

 
At 30/8/06 13:27, Blogger colher-de-pau said...

Esta sopa é igual a uma que a minha avó faz, mas ela dá-lhe um outro nome do quel eu não estou recordada.
Existe apenas 1 diferença: ela tempera a sopa generosamente com azeite em vez da banha!

 
At 30/8/06 18:05, Blogger Mónica said...

é de Inverno, sim... como a minha avó diz: "boa sopinha para aquecer a tripa"

 
At 31/8/06 01:43, Blogger Karen said...

Esse tipo de sopa era servida nas merendas da escola, muitas crianças não gostavam, mas eu adorava!

 
At 31/8/06 11:40, Blogger Paula said...

Anoto, para fazer nos primeiros dias de Outono.

 
At 31/8/06 23:15, Blogger o avental said...

Um comentário para todos.

E a propósito de todos: até a gramática discrimina o género feminino, já pensaram? Pingus Vinicius, masculino, versus femininos Elvira + Colher de Pau + Mónica + Karen + Paula. Se escrevêssemos todas ou se excluía Vinicius, ou estaríamos a levá-lo para o género feminino. Enfim, nem é preciso dizer que há um século era pior, mas há destas e de outras reminiscências mais gravosas.

A sopa é de facto muitíssimo boa. Há que comprar agora feijões de debulha, já que com os secos a sopa fica diferente e muito menos boa.

CdP, conheço quem ponha azeite nesta sopa. Por mim, prefiro uma banha feita em casa, por me parecer que vai melhor com o sabor a presunto.

PV, são belos os campos de pasto vistos de encontro ao mar, na ilha onde nasci.

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home