segunda-feira, outubro 15, 2007

Iscas sem elas

Ontem fui a um hiper, vi umas iscas de fígado de vitela e trouxe uma cuvete delas. Vi também uns cogumelos e vim com uns quantos. Estava longe de saber o que faria com aquilo, pensava vagamente noutras coisas, numa sobremesa à base de marmelo assado, geleia sem açúcar que vi por concentrar no frigorífico, gelado, massa brick.

Não fiz nada disso, e já passava das 8 da noite quando me vi obrigado, é o termo, a fazer qualquer coisa daquelas iscas. Foi um avançar a passo, na própria altura. Os cogumelos, primeiro; limpei-os bem com um pano (não os lave, absorvem tanta água como uma esponja, o que lhes leva o sabor). Retirei-lhes o pé e pus sal e uma noz de manteiga em cada um deles. Piquei um tomate com casca, levei-o a dar uma entaladela no lume, mais uma vez com manteiga e só temperado de sal, e coloquei o tomate na cavidade dos cogumelos, levando-os então ao forno. Entretanto uma luz súbita vinda de uma cesta de marmelos, levou-me a calcular que ficariam bastante bem umas fatias de marmelo fritas, em vez da polenta em que pensara e que felizmente não fiz. Clarifiquei um pouco de manteiga, ou seja, retirei-lhe o soro, deixando-a transparente para não queimar. Fritei as fatias de marmelo com casca, sem qualquer tempero, o lume brando, um testo a tapar a frigideira, até ficarem macias. A seguir veio-me a ideia de cebola picada, frita em azeite numa sertã, para pôr em cima das iscas e dar um toque português ao que estava a fazer. Enquanto as iscas, temperadas só com sal, frigiam, no fundo da sertã quase limpo do azeite da cebola, tentei abrir uma garrafa de vinho branco para deglaçar os sucos e não consegui que aquela rolha parasse de rodar à medida que a espiral tentava perfurá-la. Em boa hora. Tinha à mão um pouco de porto vintage esquecido que, por isso, já só servia para a cozinha. Usei-o, dois goles, e as iscas ficaram a fervilhar um pouco e o molho a reduzir. Assados os cogumelos, penso que uns 20 minutos bastaram, retirei-os, pus mais uma pouco de tomate para devolver o brilho que o forno retirara, enfeitei-os com salsa picada e montei o prato.

Digo-vos que o fígado com o porto estava uma delícia, que a cebola frita foi uma surpresa, por realçar o sabor delicado das iscas, que o marmelo frito em manteiga e os cogumelos recheados casaram com as iscas como casaria Romeu com Julieta. Depois de um fim-de-semana a almoçar e a jantar em restaurantes de província, soube bem a leveza delicada e nova deste prato, em que tudo foi imaginado sobre a hora.

Etiquetas:

19 Comments:

At 15/10/07 12:48, Blogger Ana Paula Afonso said...

E quando? Quando virás tu cozinhar para mim? Ler isto neste momento é um castigo por ter estado fora tanto tempo e ter chegado a casa para um firgorífico vazio... Falo contigo da próxima vez?

 
At 15/10/07 14:06, Blogger Paula said...

Fantástico!

 
At 15/10/07 14:32, Blogger Flor de Sal said...

Bem, para er sincera, figado, nem o cheiro! Mas adorei a dica de não lavar os cogumelos! Não fazia a minima ideia!

 
At 15/10/07 16:27, Blogger Ti Caty said...

É sempre um prazer visitar este blog. Parabéns.

 
At 15/10/07 17:19, Blogger Marizé said...

Estou sem palavras! Quêm me dera sentir-me assim inspirada de vez em quando.
Quando era miuda a minha mãe fazia iscas muitas vezes, agora como já não tenho a mãezinha a cozinhar para mim raramente lhe ferro o dente.
Beijocas

 
At 15/10/07 18:28, Blogger cupido said...

deve ter ficado óptimo; realmente os cogumelos e as iscas devem ligar muito bem. bela criação.

 
At 15/10/07 23:28, Blogger Caiano Silvestre said...

Eu, quando for grande, quero cozinhar assim.

 
At 16/10/07 10:01, Anonymous avental said...

Ana Paula, sempre pode telefonar. Quem sabe eu esteja livre, coisa rara :)

 
At 16/10/07 10:04, Anonymous avental said...

Paula, fiquei contente por lhe agradar.

 
At 16/10/07 10:06, Anonymous avental said...

Pois é, Flor de Sal, são esponjinhas autênticas e quando os silvestres são colhidos com chuva até sabem a ela.

 
At 16/10/07 10:07, Anonymous Anónimo said...

Obrigado, Ti Caty. É um prazer tê-la por cá.

 
At 16/10/07 10:12, Anonymous avental said...

O fígado de vitela vê-se pouco à venda, Marizé. Mas quando as apanhar, se não souber fazer as iscas tradicionais - penso que sabe - fico ao seu dispôr.

 
At 16/10/07 10:18, Anonymous avental said...

Aquela mistura de sabores casou-se em harmonia, Cupido, e as iscas ligaram bem com os cogumelos recheados de tomate, mas a ligação mais surpreendente foi o marmelo frito em manteiga, que veio realçar bastante o bom sabor do fígado.

 
At 16/10/07 10:20, Anonymous avental said...

Caiano Silvestre, se está à espera de ser grande vai ver que nunca há-de mexer numa colher de pau :))

 
At 16/10/07 19:06, Blogger Caiano Silvestre said...

:)))

 
At 17/10/07 12:07, Blogger colher-de-pau said...

Bem, quando vi as iscas torci logo o nariz... Não consigo comer nada deste género de miudezas: fígado, coração, moelas, dobrada....
Mas lá que está com um excelente aspecto, uma apresentação irrepreensível e uma combinação de sobores e acompanhamente soberba, lá isso está!
Mais uma de se lhe tirar o chapeu!

 
At 17/10/07 23:17, Anonymous scalabis said...

Mais uma grande criação do Avental. Parabéns!

 
At 18/10/07 09:31, Anonymous avental said...

Colher de Pau, coração também não como, nem miolos, parece que estou a comer a alma dos bichos :)

 
At 18/10/07 12:46, Anonymous avental said...

Foi um desenrascanço, Scalabis, senão não tinha comida para o blogue, que é quase tão exigente como um filho...

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home