domingo, setembro 16, 2007

Costeletas de borrego grelhadas com molho de hortelã

Comi, pela primeira vez, há uns bons anos, as costeletas de borrego com este corte no Restaurante Toucinho, em Almeirim. É um corte do sul do país, quero crer, por não o ter visto ainda noutro ponto cardeal, salvo agora num hiper deste burgo, que foi ducado do Infante, como costumo dizer. Mas um hiper é um hiper, não pertence a parte nenhuma, salvo à globalização com que enchem a boca e nos enchem os ouvidos, jurando promessas de um futuro virtuoso.

Ao fim e ao cabo, o que se deve ter passado foi que algum talhante da secção de carnes as terá cortado assim, saudoso da lezíria-mãe. Adiante. Isto não é um blogue de ideias, mas de sensações gustativas de que a alma também se alimenta.

No Sul, chamam-lhes costeletas de rinzada e partem da sela inteira do borrego. Dão mais carne, mas perdem o osso do (parte da costela) que é tão bom de rapar. Depois, em vez de uma costeleta de rinzada, podemos comer duas com pé, temos a mesma carne e o bónus da costela. Mas há-de haver sempre alguém a fazer contas de cabeça ao osso que compra, ainda que não tenha, no lugar, nenhuma das outras...

Mas tinham bom aspecto, o aspecto que se vê, e veio-me logo à imaginação fazer um molho com alhos, hortelã e azeite virgem extra. Se o velhinho molho de menta liga bem com o borrego assado, este, pela mesma e acrescida razão (o azeite, os alhos), seria um tiro na muge para borrego grelhado. E foi.


Tenho o hábito dos tomates no forno para acompanhamento. Fiz-lhes uma pequena cova no topo e temperei-os com sal e azeite. Levei-os ao forno, a temperatura no máximo, junto à resistência superior, e só os tirei de lá com tudo pronto.


A seguir, descasquei batatas pequenas, levei a panela de vapor ao lume, deixei a água levantar fervura, introduzi as batatas e temperei-as com sal. Passados 15 minutos, meti uns quantos ramos de brócolos, que naturalmente também temperei com sal. Aos 20 minutos, batatas e brócolos estava cozidos.



Entretanto, já tinha picado miudamente 2 dentes de alho e uns bons rebentos de hortelã (é preciso abusar nela). Juntara-lhes o tal azeite de Foz Côa e levara a mistura a ferver um pouco no microondas. Não falo de quantidades precisas, porque cozinho a olho.

Grelhei as costeletas na chapa em lume forte, de modo a ficarem suculentas (ligeiramente rosadas) por dentro e tostadas por fora. Não levaram mais tempero que sal de um lado e de outro, à medida que as virava. Empratei tudo como se vê na imagem abaixo e pincelei as costeletas com bastante molho. Se a carne era óptima, o molho realçou-lhe a virtude, isto é, não escondeu a qualidade, evidenciou-a. Foi hoje o meu almoço.

Etiquetas:

25 Comments:

At 16/9/07 22:32, Blogger Chef Janvier said...

Quem diria que o alentejano sou eu?

Há vários restaurantes em Évora
que servem o borrego com molho de hortelã, variando nos modos de preparação.

E a carne do borrego estava no ponto como eu gosto: tostada por fora e levemente rosada por dentro (mas sem ficar crua!).

Bom prato, sem dúvida.

 
At 16/9/07 22:58, Blogger anna said...

Perfeitas estas costeletas...
E do acompanhamento nem sei que diga: super adequado!!!

 
At 16/9/07 23:36, Blogger Laranja com Canela said...

Que delícia. Adoro costeletas de borrego, são sempre deliciosas. Na zona do Ribatejo também se designam essas costeletas por costeletas de rinzada.

 
At 17/9/07 09:27, Blogger Caiano Silvestre said...

Bem bom!

 
At 17/9/07 11:26, Blogger Marizé said...

Tenho passado aqui de vez em quando, e acho que nunca deixei comentário, mas hoje não resisto por dois motivos: o molho de menta que deve ser muito bom, mas principalmente pela referência ao restaurante "Toucinho" onde já trabalhei em part-time, e que frequento assiduamente, recomenda-se pela qualidade e prestação de serviço com muita simpatia.

 
At 17/9/07 15:13, Anonymous Anónimo said...

Olá!
Gostei muito da receita! Conheço um site de receitas e dietas que gostaria de indicar é o http://www.abcdosalimentos.com
Obrigado!

 
At 17/9/07 16:19, Blogger Elvira said...

Que bom tê-lo de volta! E que regresso mais brilhante! :-)

 
At 18/9/07 11:16, Blogger Goretti said...

Parecem perfeitas essas costeletas. E o molho deve ser, realmente, uma delícia.
beijinhos
Goretti

 
At 18/9/07 22:26, Blogger Paula said...

Borrego e hortelã combinam divinamente!
Já cá estava a fazer falta...

 
At 21/9/07 13:57, Blogger colher-de-pau said...

Adoro costeletas de borrego! Sendo assim adorei esta receita! A fazer!

 
At 22/9/07 12:31, Anonymous o avental said...

Sabe, Chef Janvier, andamos ,meia-volta, a inventar a pólvora sem fumo :)

Nunca comi em Évora costeletas de borrego nem conhecia a ligação da hortelã com as costeletas grelhadas. Estava para fazê-las com coentros em vez de hortelã, e acabei por usá-la porque me ocorreu de repente o molho de menta para o roast lamb. O mesmo se deve ter passado na cabeça dos outros. Quanto saiba, não é uma ligação tradicional nossa (estudei 3 anos em Évora).

 
At 22/9/07 17:16, Anonymous o avental said...

Anna, a cozedura a vapor é excelente para vegetais, peixe, marisco. Não sei é porque se usa tão pouco, a começar por mim mesmo. As batatas e os brócolos fizeram boa companhia, com sabores mais intensos.

 
At 22/9/07 19:10, Anonymous avental said...

Laranja com Canela, foi em Almeirim, terra ribatejaníssima, que as soube assim chamadas :)

 
At 22/9/07 19:15, Anonymous avental said...

Marizé, a Net propícia destas surpresas. Quem sabe se a sopa de pedra que lá comi algumas vezes tinha também a sua mão?

 
At 22/9/07 19:26, Anonymous avental said...

Elvira, obrigado. Deve saber bem melhor que eu o fastio que às vezes dá estar junto do fogão, mas voltamos sempre a ele :)

 
At 22/9/07 19:41, Anonymous avental said...

Goretti, borrego era bom, o que é 80% do caminho andado, dantes, às veze, fazia um molho só com azeite e alho para as costeletas, agora foi só acrescentar a hortelã picada. Mas muito melhor vai ser um prato que vou fazer daquele seu livro ;)

 
At 22/9/07 20:16, Anonymous avental said...

Paula, liga, sim, e a meu ver as ligações, a par da qualidade da matéria-prima e da "mão" mais ou menos virtuosa, são o segredo do êxito de um prato.

A estas horas, já o brioche que fez está a bater na Bifinett aqui.

 
At 22/9/07 20:18, Anonymous avental said...

Caiano Silvestre, um dia hei-de cozinhar para nós :)

 
At 22/9/07 20:21, Anonymous avental said...

Colher de Pau, faça, faça, mas costeletas com pé. Vai ver que até chupa os dedos :)

 
At 22/9/07 20:25, Anonymous avental said...

Anónimo, pus a página nos favoritos.

 
At 22/9/07 23:41, Blogger Paula said...

Cá fico à espera das novidades :) E não é que a minha também foi batida por uma Bifinett?... ahahah!

 
At 24/9/07 10:44, Anonymous scalabis said...

Da próxima vez que fizer costeletas da rinzada, vou usar o seu molho. É uma excelente idéia. Parabéns pelo blogue! Voltarei!

 
At 24/9/07 19:00, Anonymous avental said...

Paula, e a novidade foi grande :))

 
At 24/9/07 19:03, Anonymous avental said...

Scalabis, mas use a hortelã com alguma abundância. Depois de comer aquela sopa que lá tem que me encheu de fome...

 
At 4/7/12 18:29, Anonymous Anónimo said...

Tenho 4 costeletas de borrego da Nova Zelândia e vou experimentar a sua receita. Depois lhe digo.
Entretanto, perdoe-me oreparo: na minha terra à beira Atlântico "muge é peixe"; "muche" é o centro do alvo.
Um abraço da Mariana Silva.

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home