segunda-feira, novembro 27, 2006

Gelado de iogurte com doce de alperces secos e tâmaras especiadas


Andava às voltas com um gelado de iogurte, do iogurte de que mais gosto (dos que há no país), esse aí da imagem, meio litro de delicadeza muito ligeiramente adoçado com glicose e com sabor a natas frescas que também leva. Onde o compro? No Lidl, que não me paga a publicidade, e onde peralvilhos e peralvilhas não entram só porque vende mais barato. Enfim.


O gelado levou:

1 frasco de 0,5L de iogurte Pianola
2 claras
15 g de açúcar (ou uma colher de sopa)

Esvaziei o frasco para uma tigela e mexi-o. Bati as claras em castelo e juntei-lhes os 15 g de açúcar, e depois, o iogurte a este merengue. Envolvi o merengue lentamente no iogurte, de baixo para cima e, feita a mistura, pu-la na sorveteira a rodar.

Entretanto tinha preparado um doce de alperces secos, com 100 g de alperces e 80 g de açúcar, cobertos de água, e ferveu e tornou a ferver para que os alperces cozessem bem, tendo adicionado uma vez água para baixar o ponto. Depois deixei que a calda ganhasse ponto de cabelo fraco (104ºC ao nível do mar, aqui 102ºC). Passeio os alperces pela varinha até ficarem em puré. Dispus umas colheres do doce no prato de serviço para que arrefecesse e para depois receber a bola de gelado.

Tinha comprado também umas tâmaras não sabia bem para quê, a não ser que eram para o gelado, até me ter lembrado de um resto de redução de vinho do Porto que estava no frigorífico. Cortei quatro ou cinco tâmaras às falhas, envolvi-as na redução de porto e — eureca! — temperei-as com noz moscada. As tâmaras assim preparadas foram uma verdadeira revelação e casaram-se com o gelado como Romeu gostaria de ter-se casado com Julieta. No fim do empratamento, risquei um bordão com calda de compota de pêssego vermelho, só para enfeitar.

Ficou uma sobremesa boa em qualquer parte onde gostem de sobremesas mais que tal. Para a próxima, no entanto, o doce de alperce sairá, embora ligasse bem com o gelado pouco açucarado, e o jogo dar-se-á entre as tâmaras assim preparadas, o gelado e o que mais pensar. Ou então este gelado permanece e fica a versão I. Não demora muito que volte à carga. Ficou com um muito subtil sabor oriental, o que é óbvio, pensando de onde são originais o iogurte, as tâmaras, a especiaria. Adoro sobremesas loucas. A versão II será a terceira, com esta e esta.

Etiquetas:

4 Comments:

At 30/11/06 22:26, Blogger Paula said...

Bela sobremesa, sim senhor!

 
At 1/12/06 10:05, Blogger o avental said...

Paula, muito obrigado. Veio fazer-lhe justiça ;)

É uma delícia e tão fácil, com ou sem sorveteira e retirando o doce, que é o que eu farei, embora fique bem com ele. O que é importante ali são as tâmaras com a noz moscada e o porto reduzido ao lume e xaroposo. É de subir ao céu, garanto-lhe.

 
At 2/12/06 00:11, Blogger Paula said...

Tenho que experimentar... Até porque , como não sou peralvilha, compro sempre estes iogurtes "pianola" do Lidl ;)

 
At 2/12/06 19:39, Blogger o avental said...

Ah, os iogurtes Pianola são uma desgraça, Paula, são como as cerejas. Mas cerejas com meio litro :)

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home